Overview | Blog

DMP ou DSP: o que você precisa para fazer mídia programática?

19/04/2021 19:05:32

  • Compatilhe:

Se você já trabalha com compra de mídia e está embarcando ou se especializando na onda de mídia programática, temos uma notícia boa e uma que vai provocar uma grande mudança na sua forma de pensar e programar a mídia, o que também não deixa de ser bom.


A boa notícia é que você está entrando em um universo regido pela inteligência de dados, que pode oferecer informações precisas para ajuste da mídia em tempo real, para alcançar melhores resultados.


Por outro lado, você vai precisar se desfazer de alguns conceitos básicos dos anúncios tradicionais para compreender, entre outras coisas, como funciona a definição de estratégias da mídia programática. E aqui vamos falar de duas siglas que você já deve ter visto bastante, e explicar o que elas significam: DMP e DSP.


DMP, ou Data Management Platforms, são ferramentas essenciais para planejar campanhas programáticas, utilizadas para ajudar a definir as estratégias de forma mais objetiva, por fornecer dados sólidos para conhecer o público-alvo da marca.


Conectadas a inúmeros sites, as DMPs conseguem mapear os usuários, rastreando o comportamento de navegação desses usuários. Com esses dados, é possível segmentar o público com informações demográficas, sabendo seus reais interesses e intenções de compra.


As DMPs fornecem informações qualitativas que permitem um melhor direcionamento e aproveitamento da campanha, onde a marca fala exatamente com quem está propenso ao consumo.


DSPs, ou Demand Side Platforms, são os softwares utilizados para operar a campanha. Com eles é possível acessar o inventário de mídia online, que os publishers disponibilizam, para fazer um leilão em tempo real, onde o anunciante que der o lance mais alto garante o melhor espaço para a impressão do anúncio.


Em resumo, as DMPs abastecem as DSPs com informações para que o gestor da campanha possa trabalhar de forma independente, sem a necessidade de negociação com intermediários, programando e ajustando a campanha conforme a necessidade e/ou direcionamento necessário no momento.



Mas, afinal, você vai precisar de DMP ou DSP? 


A resposta é simples: não é uma questão de escolher entre uma e outra, mas de compreender que o resultado vai ser mais eficiente se você utilizar uma ferramenta que está sendo alimentada com informações obtidas pela outra.


Mas essa é uma pergunta comum quando o assunto é mídia programática, e por esse motivo, explicamos o papel de cada plataforma antes de chegar a esse ponto, porque agora você deve ter percebido que são duas ferramentas com funções distintas, que se complementam, para tornar a operação da mídia programática completa e ágil, como a velocidade do mundo digital pede que seja. 


A implementação da DMP é importante porque permite aprofundar a estratégia da compra programática, agregando cookies e cruzando com informações adicionais, como a base de CRM. Com o uso da DMP, a estratégia de mídia se apoia na capacidade de se obter uma qualificação mais profunda e detalhada do visitante, uma vez que o cookie capturado é cruzado com o perfil comportamental do usuário na internet, construindo um caminho de segmentação até sua intenção de compra e real interesse por marcas e produtos.


E então, está preparado para comprar e gerenciar mídia em tempo real, a partir de uma DSP, usando dados de uma DMP, da forma como os maiores anunciantes já estão fazendo? 


Gostou deste conteúdo? Compartilhe-o com os seus contatos e se inscreva na nossa newsletter para receber mais dicas e novidades!



  • Artigos